Miltons

INTERPRETAÇÃO DA LETRA

Em primeiro lugar, peço permissão a ele e a todos que, como eu, o amam, pois não sei como receberão referida letra, onde atrevi-me a falar sobre um dos maiores gênios do nosso cancioneiro.

Para não ser prolíxo, rogo a todos que, caso ainda não viram, depois desta, deem uma espiadinha no Blog (aliás, primeiro Blog) neste website, para entender o motivo de tal atrevimento.

Além de ser escolhido por Deus para representar o lado bom da música boa, escolheram-lhe também, um nome absolutamente adequado:

Milton Nascimento!

Como o garoto que fez a união das iniciais do seu nome, dando a esta, o nome de um de seus LP's (MiNas), posteriormente surgiu outra, que também batizou mais um (Miltons). Confesso, sem nenhuma pretensão, que essa segunda, me veio de maneira inconsciente quando decidi fazer esta letra, pois a minha inspiração prendeu-se àquilo que traduzia (literalmente) esta escrita: mil tons, isso mesmo, mil de 1000. Mil tons de voz, mil tons na música, mil tons na cor e outros mil que sei que nele existem, sem nenhuma conotação com o dito LP, que lá, não sei o seu significado.

 

Os mil tons existentes nessa voz, privilegiada, de sons eriçantes, entre graves, agudos e aqueles que não somos capazes de distinguir, pois sabemos, até estudos já fizeram e que parecem divinamente lapidados.

A varição vai te envolvendo tanto, que acaba tornando-se como se normal fosse, além dele. Ledo engano!

Voz e instrumento, parceria perfeita, quando se trata de Milton. As vezes até penso se precisaria deles (instrumentos).

Mil tons nessa sua música. Ah as músicas...

Parecem brotar e ecoar "...do ventre das Minas"¹, a nossa Minas, que passe o tempo que passar, a saudade permanecerá, "...cortando como aço de navaia"².

Dia desses pensei cantar Minas. Pensei e desisti, sabedor que sou que esse poder (e direito) é só seu. Feliz demais sou, por você "...saudar tua beleza"³.

Te quero ver, com "...todo o afeto que há no seu ser", pois sei que um dia, "...a gente vai se encontrar"⁵, sei que chegará e nosso caminho cruzará, porque sempre vou te idolatrar.

Não poderia faltar, os Mil tons da sua cor, a nossa cor, que "...em nome do Pai, que faz toda a carne, a preta e a branca, vermelhas no sangue", nessa Ele caprichou, foi (como sempre) primoroso, decidiu que todas as outras, juntas e misturadas dá a sua cor, que é a origem e o resultado dessa maravilhosa mistura.

Dentre todos os seres vivos, escolhi um para nos representar, pois sei que ele "...Cuitelinho não gosta", nem de imaginar que um dia você se vá iá iá, mas "... quando você for embora, far-se-á noite no viver"; tudo que é vivo, nesse dia irá sofrer e é um sofrimento que perdurará, mas isso não é nenhum sinal de mau agouro, pelo contrário, é porque Deus o chamará para o lado de lá, para eternizar e, por lá, outros mil tons criar e o paraíso alegrar, infelizmente, do lado de cá, tudo entristecerá, mas o que é bom, é que entre nós eternamente estará.

 

 

 

Ouço Milton há mais de cinquenta anos e, ainda me arrepio, senão ouçamos...

00:00 / 00:30

CD Miltons, com uma faixa a mais do que o LP: na faixa 10, repete a música San Vicente, de Nascimento e Brant, em vocalise de Milton

O segundo pedido de permissão, é pelo uso de parte de algumas das letras, dessas músicas belíssimas:

¹ A de Ó = AA: Milton Nascimento, Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra - Álbum Missa dos Quilombos, 1982

² ͤ ⁷  Cuitelinho = (Tema Folclórico) Adaptação Musical: Wagner Tiso e Milton Nascimento; Texto Poético: Paulo Vanzolini - Álbum Milton Ao Vivo, 1983

³ Lágrima do Sul = AA: Marco Antônio Guimarães e Milton Nascimento - Álbum Encontros e Despedidas, 1985

⁴ Anima = AA: José Renato e Milton Nascimento - Álbum Anima, 1982

⁵ Canção da América = AA: Milton Nascimento e Fernando Brant - Álbum Sentinela, 1980

⁶ Em Nome de Deus = Milton Nascimento, Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra - Álbum Missa dos Quilombos, 1982

Desde set/19

© 2019 por nelbispo.com by Wix

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Instagram